30 de junho de 2009

Outra rápida

Ele buscou uma isca no olhar dela. Ela só lançava vísceras ao mar.

28 de junho de 2009

Rápida

Não contente com as desgraças habituais, ainda deu pra fazer a barba com navalha. Um escorregão e zás!

27 de junho de 2009

20 de junho de 2009

Vamolá!



Minha amiga Ivana vai lançar seu primeiro romance nesta próxima terça-feira e eu estarei lá também, embora por pouco tempo. Queria muito comparecer à segunda parte da festa, que promete ser divertida, mas acho que não vai ter como. De todo modo, ficarei feliz em ver ou rever as pessoas amigas, e tenho certeza de que a Ivana vai gostar de ter possíveis novos leitores(as). E nem preciso dizer que a Livraria da Vila é um point obrigatório para quem deseja participar da vida cultural de São Paulo - bem como a Mercearia. Então, se sua personalidade tender mais pro lado etílico, apareça na segunda parte do evento, mas não se assuste com o caos lá reinante. Faz parte do programa, e não seria a mesma coisa se não fosse daquele jeito.

18 de junho de 2009

O mundo à revelia

Então deixa eu ver se entendi: milhares de pessoas vão às ruas protestando contra uma eleição fraudulenta, há mortes no confronto, o governo prende e arrebenta, expulsa jornalistas, impõe censura geral e tudo se resume a uma espécie de fla X flu? A sorte do Lula é que nós, aqui, somos desinformados demais, imbecis demais, estúpidos demais, cordeirinhos demais e f.d.ps além da conta para levarmos na devida conta mais essa declaração infeliz (e reveladora da verdadeira índole de nosso mandatário maior). Fôssemos sérios, isso dava no mínimo a abertura de um processo no Senado. Mas as pessoas, imersas na gelatina morna da inconsciência ou da ausência de caráter, preferem fazer ouvidos moucos e dizer que "se a economia está bem, que mal tem?". Pois nem esta se salvará, leiam o que aqui escrevo.

17 de junho de 2009

Registro rápido

O que mata não é o tédio, mas a expectativa de mais do mesmo no dia seguinte.

12 de junho de 2009

Dia dos namorados

Na verdade, dia dos enamorados. Mas é só pra felicitar a quem teve a boa sorte de achar companhia/um amor/um cacho/a metade de sua laranja/sua alma gêmea e outras denominações mais ou menos felizes para aquela pessoa que terá a impossível tarefa de manter acesa a esperança que todos temos de, sim, encontrar aquela condição impossível a que chamamos felicidade. Não vai durar para sempre, nem vai sobreviver às privações de nossa existência, nem irá crescer com o passar dos dias (e semanas, meses ou anos), mas nem por isso a maioria de nós deixa de - alguns desesperadamente - buscá-la onde quer que acreditemos que ela está. Claro que o fato de vocês crerem nisso não vai mudar um fio de cabelo da condição desgraçada do gênero humano, pelo contrário, só reforça isso. Mas o que seria da arte não fosse essa busca inútil e sempre inglória? E como eu teria material para escarnecer de vocês, que nem com todos os pés na bunda deixam de acreditar na possibidade do amor? Então, divirtam-se.

Aviso aos navegantes

O chavão do título se justifica: trata-se de esclarecer uma questão que já deveria ter ficado implícita nos pressupostos deste blogue, mas como vivemos tempos mais e mais explícitos (você tem de explicar tudo, absolutamente TUDO, já que falta inteligência - ou sobra má-fé - à maioria de seus interlocutores), convém novamente explicar.
Nem tudo o que aqui se escreve (melhor seria dizer quase nada) reflete necessariamente o que o dono do blogue realmente pensa a respeito de tal e qual assunto. É caso de discutir se o referido sujeito PENSA, mas aí já é outra história. Pra variar, confunde-se a persona, a personagem, com a pessoa - que não são uma e única coisa, embora possam compartilhar do mesmo corpo eventualmente.
A graça está aí, no jogo de incertezas que o texto estabelece. Por exemplo, quantos idiotas não acham que Brás Cubas reflete exatamente o que seu criador, Machado de Assis, achava de seu mundo e tempo? Nem por isso é impossível afirmar o contrário. Mas chega a ser engraçado saber que pessoas que leem este blogue tomem como verdade pessoal deste que aqui escreve a enxurrada de maledicências e comentários ligeiros que são aqui postadas. Nem mesmo as lamúrias pessoais, bem pesadas as coisas, são propriamente pessoais. Mas acho que não adianta argumentar com quem raciocine (?) de modo diverso.
Vou repetir: tudo aqui é mentira.

10 de junho de 2009

Cansaço II

Olha, nesse ritmo a coisa comigo vai acabar descambando é pra um ataque do coração ou falência múltipla dos órgãos. Por enquanto, apenas uma dor intermitente nas costas - que não me deixa dormir direito. E uma infelicidade constante. E um coração vazio e seco.
De resto vai tudo bem.

4 de junho de 2009

Não existe amor

O ser humano só se interessa por duas coisas: sexo e dinheiro. Historicamente, nessa ordem. Mais modernamente, o segundo sobrepujou o primeiro de forma quase exclusiva. Alguém vai dizer que faltou outro motivador: a comida. Não, ela está contida no dinheiro. Ou no sexo. Ou em ambos. E é isso que vocês costumam chamar - romanticamente - de amor.

2 de junho de 2009

Refresco

Um bom frio. Dá até pra imaginar que estamos no primeiro mundo. Mas vai durar pouco. Aliás, durou: foi só chegar à banca de jornais e ler as manchetes pra ter certeza que o inferno continua.