29 de agosto de 2006

Das manias...

Tocar campainha das casas e sair correndo.
Telefonar de madrugada fazendo voz de tarado ou contando piadas sem graça.
Cutucar o nariz. Pelo lado de dentro. Em público.
Falar maravilhas de si próprio enquanto rebaixa os colegas do escritório.
Achar-se predestinado e irritar-se quando não reconhecem isso em você.
Tomar refrigerante normal e descer o cacete em quem toma a versão light.
Achar que a calça está caindo e sempre puxá-la para cima - sem perceber que a cena é ridícula e o movimento, inútil.
Pensar que, quando duas pessoas conversam, elas estão necessariamente falando de você.
Ou imaginar que, seja qual for o assunto do texto, o alvo também é você.
Fazer regime. E comer pastel, só "unzinho", que não faz mal.
Começar a subir qualquer escada com o pé direito. Ou o esquerdo.
Enviar e-mails indignados aos amigos, inimigos, correligionários e aos jornais.
Escrever blogues.

P.S.: os comentários foram desativados por tempo indeterminado. Agradecimentos diretamente a meu "perseguidor".

26 de agosto de 2006

Porque hoje é sábado...

Voltou a fazer calor e os motoristas - irritados - gargarejam impropérios e ameaçam os passantes com palavras de desordem.
Há cafés onde não se serve café, e onde a comida é resultado de uma luta entre o mundo e a ausência de fundos.
A voz pastosa do pastor ecoa pelas paredes do templo. Os fiéis erguem os braços, gritam e se descabelam. E saem todos para cumprir a missão que lhes dada.
Melhor sair de casa e tomar sorvete de mangostim. Depois ir ao cinema e sonhar que se pode dominar o mundo.
Sempre há o risco de se cortar o dedo quando se manipula facas. Caso isso ocorra, tente estancar o sangue com água gelada. Se houver esguichamento (de sangue, evidentemente), não se apavore: a morte costuma ser rápida. Mas isso só acontecerá por extrema inabilidade ou por estupidez mesmo.
Assustador é saber que uma porcentagem considerável da humanidade é psicopata, e que você pode estar sentado(a) ao lado de um no metrô ou no ônibus, por exemplo.
A novela das 8 (que nem é mais das 8, mas tudo bem) não está assim tão fora do esquadro, como muitos podem pensar.
Quando se sobe (por vias naturais ou não) a alturas algo elevadas, é sempre bom se prevenir contra os males do ar rarefeito.

24 de agosto de 2006

18 de agosto de 2006

Esclarecimentos desnecessários

... claro está que nem precisaria dizer que o texto abaixo nada mais é que uma alegoria. Mas como a gente precisa explicar tudo neste mundo sem Deus, melhor deixar esclarecido, antes que apareça alguém aqui para dizer inconveniências...

12 de agosto de 2006

Mas...

... eu devia deixar de ser trouxa e aprender de uma vez por todas a não confiar nas pessoas. Pelo menos em determinadas pessoas. Mas, não, sempre vou manter um fiapo de esperança na boa índole de gente próxima - só para constatar, mais uma vez (e outra, e outra, e outra...), que a única saída para o gênero humano é a explosão deste planeta miserável e os viventes que o infestam. Incluindo este que vos escreve - que é para eu deixar definitivamente de ser besta.

Vale dizer que eu só cumprimento gente que eu minimamente respeite. No entanto, há quem ainda insista...

11 de agosto de 2006

Notas sobre o Rio de Janeiro e adjacências

1. O Rio, visto de perto, parece São Paulo com praia e sotaque diferente.
2. Quando você faz uma "corrida" de táxi no Rio, a palavra é levada às últimas conseqüências.
3. Diferentemente do que fazem os turistas normais, fui conhecer - ciceroneado por um casal de amigos (Gabi e Ricardo), mais uma amiga deles - o Centro da cidade. Andamos na rua do Ouvidor (Machado de Assis certamente passou por ali), fomos conhecer a Confeitaria Colombo e o Centro Cultural Banco do Brasil. Mas, para não ser totalmente diferente, esticamos até Copacabana. Pena que já estava escurecendo. Mas o passeio valeu.
4. Os congressos tiveram seus altos e baixos. O do GEL, em Araraquara, foi bem ruim - tanto em termos de localização, quanto no que diz respeito à qualidade dos trabalhos. Mas pude conhecer pessoas interessantes, o que sempre é um ponto positivo. Já o encontro nacional da Abralic foi ótimo, pelo menos até onde pude ver. E todo mundo que vale a pena, na área de Literatura, estava lá.
5. Hotéis são um risco. Sempre.
6. Não comi feijoada no Rio. Em compensação, comi sushi - que estava bom, por sinal.

De resto, o de sempre: muito trabalho pelo frente, perspectivas sombrias em relação à minha subsistência, um desânimo generalizado entre colegas - impressão forte de fim de jogo. Nada de novo no front de batalha.
Queria estar na FLIP, mas como não fui convidado, nem pensar! (hehehe!)

1 de agosto de 2006

Ainda perdido!

Feito louco escrevendo um trabalho cuja entrega está marcada para sexta-feira - mas não vai dar tempo. E ainda tenho de ir ao Rio de Janeiro quinta-feira, embora meu desejo fosse participar todos os dias do congresso, mas haja dinheiro! Então continuamos assim: vocês aguardam sentadinhos(as) aí, comendo pipoca, deitando no sofá e cuidando do gato, que eu vou até ali e já volto, ok?
Ah, e amanhã tem lançamento do Nelson de Oliveira, na Livraria da Vila, aqui em São Paulo, a partir das 19h00. Vale a pena, tanto para conhecer a simpatia de figura que é o Nelson, como para comprar seu mais recente livro de contos. Ah, e também para tomar um café nos fundos da livraria, que é um charme só!